Justiça quebra sigilo de prefeito

Devassa revelou rombo em Ferraz de Vasconcelos

Ricardo Brandt e Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

05 de agosto de 2009 | 00h00

O Ministério Público Estadual iniciou em julho uma devassa nas contas do prefeito de Ferraz de Vasconcelos, Jorge Abissamra (PSB), de seus familiares, de secretários de Governo, empresários e advogados da cidade para rastrear uma suposta sangria nos cofres públicos que pode ultrapassar R$ 5 milhões. A Justiça quebrou o sigilo bancário de 39 pessoas físicas e 31 pessoas jurídicas.Com 175 mil habitantes, um Orçamento de R$ 197 milhões, a cidade da Grande São Paulo tem sérios problemas sociais e serviços públicos precários. Desde que assumiu, em 2005, Abissamra coleciona problemas com a promotoria. Mais de 20 inquéritos estão abertos para apurar superfaturamento de preços, dupla contratação de serviço, direcionamento de licitações, desvios de bens e valores da prefeitura, irregularidades em contratações, entre outras.A promotora Daniela Hashimoto, que obteve a quebra do sigilo, diz que "provas constantes no anexo demonstram que os requeridos, ao longo de 2005, 2006, 2007 e 2008, realizaram operações bancárias, emissão de TED?s e transferências diretas, em valores vultosos e incompatíveis com seus rendimentos mensais", o que caracterizaria enriquecimento ilícito.Na ação, que integra o inquérito 32/08, sob segredo de Justiça, ela afirma que "há sólidos indícios de envolvimento dos requeridos em esquema de desvio de dinheiro público, destinado ao pagamento de empresas e pessoas físicas contratadas pela prefeitura, para contas pessoais do prefeito, alguns de seus secretários e familiares".Relatórios do Coaf que cruzaram dados suspeitos de movimentação nas contas dos suspeitos e empresas embasaram a quebra de sigilo. Na ação, 27 itens apontam movimentações supostamente incompatíveis, mas com base em amostragem.O prefeito, por nota, informou que "tem buscado cumprir todas as determinações da Justiça" e "a verdade dos fatos se estabelecerá".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.