Justiça proíbe rádio até de mencionar candidato na BA

A Justiça Eleitoral baiana proibiu a Rádio Metrópole de Salvador de fazer, a partir de hoje, qualquer referência ao nome do candidato à prefeitura da capital baiana Antonio Imbassahy (PSDB) em toda a sua programação. A medida, de caráter liminar, assinada pelo juiz da 2ª Zona Eleitoral, Everaldo Cardoso de Amorim, atende a uma representação impetrada pela coligação "Para melhorar Salvador", encabeçada por Imbassahy. A alegação é de que a emissora, por meio do seu proprietário e apresentador, Mário Kértesz, tem criticado reiteradamente o candidato. A coligação ingressou com o pedido de suspensão, há uma semana, após o tucano se sentir prejudicado pelas declarações do apresentador, que, no entendimento do candidato, alcançavam inclusive o campo pessoal. Kértesz, que já foi prefeito de Salvador, teria reclamado do fato de Imbassahy ter proibido a mulher, Márcia Imbassahy, de conceder entrevista a um jornal semanal, também de propriedade de Mário Kertesz."Nos causou surpresa essa iniciativa do candidato. A emissora sempre abriu espaço para todos. Em nenhum momento tivemos a intenção de a quem quer que seja", disse o diretor da rádio, Chico Kértesz, acrescentando que os advogados da rádio já tomam as medidas cabíveis. O apresentador Mário Kértesz, pai de Chico, encontra-se em viagem a Nova Iorque, nos Estados Unidos, mas já foi informado do fato. A multa para cada vez que a Metrópole se referir ao nome de Imbassahy é de R$ 10 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.