Justiça ordena afastamento de Cassol

Réu de ação criminal no Supremo Tribunal Federal (STF) por supostamente tentar subornar e intimidar pessoalmente testemunhas que o acusam de compra de votos nas eleições de 2006, o governador de Rondônia, Ivo Cassol (sem partido), teve decretado seu afastamento cautelar do cargo por 90 dias, em decisão da Justiça Federal.

ROBERTO ALMEIDA, Agencia Estado

28 de maio de 2009 | 22h55

Desta vez, ele é acusado de improbidade administrativa. Segundo o governo rondoniense, porém, Cassol ainda não foi notificado oficialmente - quando o for, terá prazo de 48 horas para deixar o cargo.

Em sua decisão, o juiz Flávio da Silva Andrade, da 2ª Vara Federal de Rondônia, acolheu liminar pedida pelo Ministério Público Federal, para quem Cassol passou a usar a Polícia Civil do Estado para coagir testemunhas da suposta compra de votos. Seu afastamento do cargo, na visão dos procuradores, permitiria que o processo que corre no STF fosse instruído de maneira ?tranquila?.

Mais conteúdo sobre:
Rondôniaafastamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.