Justiça obriga Incra a acelerar desapropriações

A Justiça Federal de Mato Grosso obrigou o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) a apresentar até o dia 31 deste mês relatório dos processos de vistorias e desapropriações de terras em 23 propriedades, para assentar cerca de 4 mil trabalhadores rurais vinculados ao Movimento dos Sem-Terra (MST) e Movimento dos Trabalhadores Acampados (MTA).A decisão é do juiz da 1ª Vara Julier Sebastião da Silva, que se reuniu nesta quarta-feira comrepresentantes do órgão, líderes estaduais dos dois movimentos e do Ministério PúblicoFederal (MPF).Após três ocupações em menos de um mês do prédio do Incra em Cuiabá ? duas do MTA e uma do MST -, trabalhadores dos dois movimentos permanecem acampados em frente à superintendência. Em Mato Grosso, o MST reivindica a desapropriação de 39 fazendas para assentar 3,5 mil famílias.O MTA propõe a desapropriação de 17 fazendas improdutivas no Estado, que, juntas, somam 40 mil hectares. As terras, segundo os líderes do movimento, seriam suficientes para assentar 1.400 famílias. Há 40 dias os trabalhadores estão acampados em frente ao Incra em Cuiabá. Naúltima quarta-feira, o prédio foi invadido e 18 vidraças foram quebradas após tumulto envolvendo um grupo dissidente do MST, o MTA, que protestou contra a invasão.Para um dos líderes estaduais do MST, Altamiro Stochero, o acordo na Justiça não agrada aos integrantes do movimento porque os trabalhos de vistoria não resolvem o problema dos trabalhadores. ?Mesmo que o Incra cumpra o prazo determinado pela Justiça, o problema é que o processo não avança devido à burocracia que acabaimpedindo o envio da documentação para Brasília?, afirmou Stochero.O líder do MTA, Valdecir Francisco Custódio, disse que o acordo agrada aos integrantes do movimento desde que o Incra cumpra o prazo estabelecido pela Justiça Federal. ?Se o Incra não cumprir o acordo, nós voltaremos a ocupar a sede do órgão até que o processo de desapropriação das propriedades rurais improdutivas avance?, afirmou Custódio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.