Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Justiça marca julgamento de Azeredo no mensalão mineiro para dia 8

Ex-governador de Minas foi condenado em primeira instância a 20 anos e 10 meses de prisão por lavagem de dinheiro e peculato

Leonardo Augusto, especial para o 'Estado', O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2017 | 15h26

BELO HORIZONTE - O ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB) será julgado em segunda instância no processo do mensalão mineiro no próximo dia 8, conforme informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Pela participação no esquema, o tucano foi condenado em primeira instância a 20 anos e 10 meses de prisão. A acusação é por lavagem de dinheiro e peculato.

Segundo investigações do Ministério Público, o mensalão mineiro surgiu durante o governo de Azeredo, cuja administração foi de 1995 a 1998. O esquema consistia no desvio de recursos de estatais, como a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) para a campanha de Azeredo pela reeleição, em 1998, quando foi derrotado por Itamar Franco. O julgamento ocorrerá na 5.ª Câmara Criminal do TJ.

Se confirmada a decisão de primeira instância, o tucano poderá ficar preso por pouco mais de um ano. Isso porque o ex-governador completará 70 anos em 9 de setembro de 2018. O Código Penal estabelece que, nessa idade, o prazo de prescrição caia pela metade. Segundo a legislação à época, ocorrências por peculato e lavagem de dinheiro prescrevem quando se atinge 16 anos entre o crime e o recebimento da denúncia.

Para que o ex-governador de Minas cumprisse toda a pena, o processo contra o tucano deveria estar totalmente concluído até o seu aniversário no ano que vem. O advogado de Azeredo, Castellar Guimarães Neto, afirmou ter confiança na reforma da sentença. "Não há na instrução probatória nenhum indício de que o ex-governador tenha participado de decisões administrativas das estatais nem mesmo da organização financeira da campanha", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.