Justiça mantém Sombra, Rocha Mattos e Naya presos

Os ministros da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram nesta terça-feira manter presos três acusados de crimes de grande repercussão no Brasil. Eles rejeitaram pedidos para libertar o empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, acusado de mandar matar o ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT); o juiz federal João Carlos da Rocha Mattos, investigado pela Operação Anaconda; e o ex-deputado federal Sérgio Naya, acusado de falsificar escritura de um imóvel em prejuízo das vítimas do desabamento do edifício Palace II, no Rio de Janeiro.A necessidade de manter Sérgio Gomes na prisão foi defendida pelo Ministério Público. Segundo o parecer encaminhado pela instituição ao STJ, o crime é grave e "à primeira vista denota uma grande organização criminosa". De acordo com o Ministério Público, a morte teria sido premeditada com o objetivo de garantir a execução de outros crimes, como corrupção na prefeitura de Santo André.No caso do juiz Rocha Mattos, os ministros da 5ª Turma rejeitaram pedido de habeas corpus em favor do magistrado, suspeito de integrar uma organização criminosa investigada pela Polícia Federal, formada por juízes, membros do Ministério Público, advogados, empresários e policiais. Em outra decisão, foi negada uma liminar pedida por Naya, preso preventivamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.