Gabriel José/Reuters
Gabriel José/Reuters

Justiça mantém prisão preventiva de ex-diretor da Petrobrás em processo envolvendo empresa holandesa

Jorge Luiz Zelada é acusado de integrar um esquema de corrupção envolvendo pagamentos de propina do grupo holandês SBM Offshore a executivos da estatal

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2016 | 17h47

RIO - O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) acatou nesta terça-feira, 1º, o pedido do Ministério Público Federal (MPF) pela manutenção da prisão preventiva do ex-diretor internacional da Petrobrás Jorge Luiz Zelada. No processo, ele é acusado de integrar um esquema de corrupção envolvendo pagamentos de propina do grupo holandês SBM Offshore a executivos da estatal.

Preso desde julho do ano passado pela Justiça Federal em Curitiba, no Paraná, onde também teve a prisão decretada, Zelada é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa. Mas o ex-diretor da Petrobrás também tem ordem de prisão preventiva emitida pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, onde tramita o caso da SBM. Dois dos três desembargadores votaram contra o pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do executivo.

Segundo a procuradora regional da República Silvana Batini, que representou o MPF no julgamento, o risco de fuga do réu cresce à medida que a chance de punição aumenta

Os argumentos da Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2) foram aceitos pelo desembargador federal André Fontes, relator do habeas corpus, que citou os casos de fuga de Salvatore Cacciola e Henrique Pizzolato, além do plano de fuga que o senador Delcídio do Amaral teria oferecido a Nestor Cerveró (antecessor de Zelada na diretoria internacional da Petrobrás).

Já o desembargador Messod Azulay avaliou que "o envolvimento de Zelada em um esquema de 'consequências nefastas', como a grave crise na rede de saúde do estado do Rio, demonstra que ele oferece alta periculosidade, justificando sua prisão", informou a Procuradoria, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.