Justiça mantém prisão de Barros Filho e Ferraz

Os empresários Fábio Monteiro de Barros Filho e José Eduardo Teixeira Corrêa Ferraz, sócios da construtora Incal, não tiveram a mesma sorte do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF). Os ministros da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) mantiveram hoje a prisão preventiva dos dois, que são acusados de participar do desvio de recursos da obra do Fórum Trabalhista de São Paulo. Em março, Estevão foi solto por uma liminar do ministro Fernando Gonçalves, do STJ.Por três votos a dois, os integrantes da 6ª Turma negaram um pedido de habeas-corpus feito pelos advogados dos empresários. Iniciado no dia 8, o julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Hamilton Carvalhido.Hoje, Carvalhido votou contra o pedido dos sócios da Incal por considerar que ainda existe a possibilidade de fuga dos dois. No voto, o ministro também lembrou que os empresários não se apresentaram, espontaneamente, à polícia, quando houve o primeiro decreto de prisão preventiva.Os ministros Paulo Gallotti e Fontes de Alencar também se alinharam a essa interpretação. Já os ministros Fernando Gonçalves e Vicente Leal votaram favoravelmente à revogação do decreto de prisão preventiva determinada pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região, com sede em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.