Justiça mantém preso seminarista acusado de pedofilia

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou hoje, por unanimidade, habeas corpus para libertar o seminarista Tamilson Souza Carvalho, de 25 anos, acusado de pedofilia. Segundo a Justiça, é necessário ?proteger a sociedade contra a pessoa potencialmente perigosa?.Tamilson está na carceragem do 14º Distrito Policial desde 25 de junho, acusado de abusos sexuais contra quatro crianças, de 8 a 12 anos, ?coroinhas? da Igreja Santo Antonio, na zona oeste de São Paulo. O seminarista era também auxiliar administrativo da Cúria Metropolitana da Lapa.Havia oito meses, morava num quarto que lhe fora cedido na igreja, para onde atraia as vítimas. O seminarista que todos acreditavam ser padre, porque usava batina, foi denunciado pelas mães dos garotos.O padre Carlos Augusto Teles de Lima, pároco da igreja, disse que soube da conduta do seminarista no dia 13 de junho. Convocou uma reunião com os pais das vítimas, ocasião em que Tamilson confessou a pratica do crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.