Assembleia de Roraima
Assembleia de Roraima

Justiça mantém decisão por prisão do presidente da Assembleia de Roraima

Tribunal recusa recurso de deputado envolvido em escândalo de desvio de verba de contratos da União com o Estado; Jalser Renier (SD) diz que aguarda o momento da prisão

Vanessa Vieira, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2016 | 19h18

BOA VISTA - O Superior Tribunal de Justiça (STJ) recusou, na tarde de quarta-feira, 26, recurso do presidente da Assembleia Legislativa de Roraima, o deputado Jalser Renier (SD), e manteve a determinação da corte pela prisão do parlamentar. 

No início do mês, o STJ havia deferido o início da execução da pena do parlamentar, de prisão de seis anos e oito meses por envolvimento em esquema de corrupção conhecido como escândalo do gafanhoto. 

No recurso, a defesa alegou que a decisão do STJ de permitir prisão após condenação em segundo grau não valeria para parlamentares, que têm imunidade. 

O parlamentar informou, por meio de nota, que aguarda a Justiça Federal em Roraima determinar a prisão e o cumprimento pela Polícia Federal. Como não há presídio federal no Estado, a Vara de Execuções Penais do Judiciário estadual ficará encarregado de determinar o local onde ele ficará preso.

O presidente da Assembleia Legislativa de Roraima afirmou que “pende recurso interposto contra a própria condenação, assim como contra a decisão de cumprimento antecipado da pena”. O cumprimento da prisão será em regime semiaberto, com saída diária do estabelecimento prisional para trabalhar.

Jalser foi preso em 2003 durante a Operação Praga do Egito, esquema de desvio de verbas públicas conhecido como escândalo dos gafanhotos que teria movimentado cerca de R$ 70 milhões a partir de convênios da União com o Estado. “Há 14 anos, sofri um dos piores momentos de minha vida. Mas não vou me esconder. Estou à disposição da Justiça e preparado para cumprir minha pena. É uma pena em regime semiaberto, o que frustra meus inimigos. Mas hoje eu estou caindo, mas vão ter que me engolir quando eu levantar”, disse o deputado em reunião com os servidores da Assembleia na manhã desta quinta-feira, 27.

Mais conteúdo sobre:
STJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.