Justiça manda soltar 32 invasores da Câmara presos em Brasília

A Justiça Federal mandou soltar os 32 integrantes do Movimento de Libertação dos Sem-Terra (MLST) que permaneciam presos sob acusação de invadir e depredar instalações da Câmara, em junho. Entre eles está Bruno Maranhão, líder do movimento que comandou a invasão.Na ocasião, 24 seguranças da Casa ficaram feridos e 539 ativistas foram detidos.Os 27 homens e 5 mulheres que continuavam no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, foram liberados no sábado e responderão ao processo em liberdade.Na denúncia formal oferecida na semana passada, o Ministério Público Federal pediu a soltura de apenas dez dos 42 militantes que estavam na prisão. Essa parte do pedido do MPF foi acolhida. Os procuradores da República que atuam no caso não queriam que os outros 32 também ganhassem liberdade. O juiz Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal, ainda não se pronunciou sobre a denúncia do MPF.Surpresos com a libertação de todos os integrantes do MLST, os procuradores Gustavo Pessanha Velloso, José Robalinho Cavalcanti, Vinícius Fernando Alves Firmino, Lívia Nascimento Tinôco e Valtan Martins Mendes Furtado divulgaram hoje nota e revelaram preocupação sobre o andamento da ação.?O MPF informa que passa a ter grande preocupação quanto à efetividade e à tramitação do processo, pois a maior parte dos denunciados não comprovou possuir residência fixa nem ocupação lícita, e prevê grandes dificuldades para citá-los e intimá-los.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.