Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Justiça manda desocupar Ministério , mas MST resiste

Manifestantes estão ocupando desde às 9h30 desta terça-feira a sede do Ministério da Fazenda em Brasília

Célia Froufe, AE

11 de agosto de 2009 | 17h32

O dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) João Paulo Rodrigues recebeu nesta terça-feira de uma oficial de Justiça uma intimação para que os militantes do movimento desocupem o prédio do Ministério da Fazenda. Desde as 9h30, eles estão no saguão e em áreas externas do edifício, reivindicando a realização de uma audiência com participação de vários ministros e a liberação de verbas do orçamento para a reforma agrária.

 

Apesar da intimação, entregue pela oficial de Justiça Rosângela Batista, os militantes do MST afirmaram que não pretendem desocupar o local até pelo menos 17h30. Este é o prazo, segundo o dirigente Vanderlei Martini, que o MST deu para que o governo responda à reivindicação de uma audiência ampla.

 

"A princípio, nada muda. Vamos sair quando o Planalto acenar com uma negociação", afirmou Martini. Segundo a oficial de Justiça, as autoridades policiais podem entrar em ação a partir do instante da entrega da ordem judicial de reintegração de posse.

 

"Se a reunião tivesse sido marcada, já teríamos saído do prédio", afirmou João Paulo Rodrigues. "Isso é para nós sabermos como a Justiça atua. Há mais de 15 anos, pedimos desocupações de fazendas, e nada ocorre; e aqui, em menos de 10 horas, a Justiça já atuou", disse.

 

Assim que a oficial de Justiça lhe apresentou a intimação, João Paulo Rodrigues se recusou a receber e assinar o documento. A oficial avisou, então, que todos os participantes da ocupação estavam automaticamente intimados, mesmo sem a assinatura. Rodrigues concordou em assinar o papel.

 

Além da desocupação do prédio, que pode ser feita à força pela polícia, segundo a oficial de Justiça, o MST terá que pagar R$ 50 mil de multa pela ocupação do prédio.

Tudo o que sabemos sobre:
JustiçaMSTMinistério da Fazenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.