Justiça livra acusado de mandar matar vereador de Analândia

Homem que foi apontado como suposto mandante do crime é irmão do ex-prefeito José Roberto Perin; parlamentar assassinado tinha denunciado irregularidades na administração municipal

José Maria Tomazela, de O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2012 | 18h40

SOROCABA - O juiz Daniel Felipe Scherer Borborema, da 1ª Vara Judicial de Itirapina (SP), considerou insuficientes as provas contra o funcionário público Luiz Carlos Perin, o "Chiba", acusado pelo Ministério Público Estadual (MPE) de ter encomendado a morte do vereador Evaldo José Nalin (DEM), de Analândia, assassinado a tiros em outubro de 2010.

De acordo com sentença publicada no último dia 6, não há indício suficiente de autoria para que o acusado seja levado a júri pelo crime. O magistrado ressalvou que não se trata de absolvição sumária, e sim da falta de prova que autorize o prosseguimento da ação até o julgamento pelo tribunal do júri. "Enquanto não houver extinção da punibilidade, pode ser apresentada nova denúncia se houve prova nova", afirma o juiz. O MPE entrou com recurso e aguarda julgamento.

O vereador foi morto na sala de sua casa, invadida por dois homens encapuzados que chegaram de moto. Eles dispararam sete vezes. A Polícia Civil concluiu que o crime teve conotação política. Nalin tinha sido ameaçado após denunciar irregularidades na administração municipal. "Chiba" é irmão do chefe de gabinete e ex-prefeito José Roberto Perin - a família controla a política local há mais de 15 anos. Testemunhas teriam visto o acusado entregando um pacote aos supostos executores do crime. Um deles, André Picanto, morreu em janeiro de 2011 após ser atropelado por um carro na Grande São Paulo. O outro nunca foi identificado. "Chiba" chegou a ser preso dois meses após o crime, acusado de intimidar testemunhas, mas foi libertado em abril de 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
Justiçamortevereador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.