Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Justiça julga nesta terça-feira o ex-governador Eduardo Azeredo, réu no mensalão mineiro

Tribunal de Justiça de Minas Gerais decide o futuro do ex-deputado federal (PSDB-MG) condenado a mais de 20 anos de prisão por peculato e lavagem de dinheiro

O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2018 | 07h00

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) julga nesta terça-feira, 24, os embargos infringentes, a última apelação antes da execução penal, do ex-governador mineiro e ex-presidente nacional do PSDB Eduardo Azeredo. O início da sessão está previsto para as 13h30, em Belo Horizonte. Há a possibilidade de o tucano, condenado por peculato e lavagem de dinheiro, ser preso após o resultado do julgamento. 

Em 2015, o tucano foi condenado na primeira instância a 20 anos e 11 meses de prisão, no processo conhecido mensalão mineiro. Azeredo pode ser o primeiro preso da versão tucana do mensalão. Mais tarde, em 2017, foi condenado em segunda instância, com a manutenção da pena.

No recurso mais recente, em 10 de abril, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou um pedido de liminar para suspender a condenação de Azeredo.  

“Eu espero que Deus ilumine os desembargadores”, afirmou ao Estado na semana passada o ex-governador, que tem afirmado que seu processo e condenação são uma forma de compensação pela sentença de petistas no caso do mensalão e, mais recentemente, pela prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato. 

+A decisão judicial que bloqueia bens de Azeredo

Além dos embargos infringentes que serão julgados, cabem ainda embargos declaratórios sobre eles. Na avaliação da defesa de Azeredo, somente depois desse recurso é que a prisão do ex-governador pode ser pedida. Os advogados do tucano também aguardam decisão sobre habeas corpus que pede a anulação da condenação, impetrado no Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Relembre

Segundo o Ministério Público Federal, o mensalão mineiro foi o desvio de recursos de estatais mineiras, como a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), para a campanha de Azeredo pela reeleição em 1998, quando foi derrotado pelo ex-presidente da República, Itamar Franco, à época no PMDB. 

Azeredo foi prefeito de Belo Horizonte (1990-1993), governador de Minas entre 1995 e 1998 e senador de 2003 a 2011. Depois, foi deputado federal entre 2011 e 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.