'Justiça fez justiça', diz Roseana sobre cassação de Lago

Senadora deve assumir governo do Maranhão, após cassação de Lago por 5 votos no TSE nesta madrugada

Andréia Sadi, do estadao.com.br

04 de março de 2009 | 17h16

"A Justiça fez justiça". Foi assim que a senadora Roseana Sarney (PMDB-MA) definiu a  cassação do governador do Maranhão , Jackson Lago, e seu vice, Luiz Carlos Porto, pelo Tribunal Superior Eleitoral na madrugada desta quarta-feira, 4. "A Justiça fez justiça. Devolveu o mandato que eu tinha ganho.Eu acho que está havendo um processo educativo, as pessoas estão valorizando mais a lei porque acreditam mais nela", disse Roseana durante coletiva em Brasília , segundo a sua assessoria.   Veja Também: Com cassações do TSE, PMDB amplia poder nos Estados Opine: TSE deve investigar passado dos substitutos?  Saiba quem são os governadores na mira do TSE   Cinco dos sete ministros do TSE concluíram que na eleição de 2006 ocorreram irregularidades que beneficiaram a candidatura de Jackson Lago e prejudicaram Roseana Sarney. Entre outras acusações, a oposição alegou que foram feitos 1.817 convênios no ano da eleição entre o governo estadual e prefeituras e associações civis.  Roseana é a segunda colocada nas eleições de 2006 ao governo do Maranhão. Com a cassação de Lago e seu vice, Luiz Porto, a senadora deverá assumir o cargo. " Essa decisão cabe à Justiça. A minha prioridade é a minha saúde".   A senadora terá de se submeter a uma cirurgia para a retirada de um aneurisma no cérebro marcada para este mês, por volta do dia 20.   Ela refutou às críticas sobre a volta de "oligarquias" ao comando do Estado. "Tem políticos que são netos, filhos e primos de outros famosos que não são chamados de olicarcos. Considero isso uma falta de respeito, dizer que meu pai (o presidente do Senado, José Sarney), é o responsável pela minha carreira", disse.  

Tudo o que sabemos sobre:
Roseana SarneyPMDBPDTJackson LagoTSE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.