Estadão
Estadão

Justiça Federal homologa delação de Júlio Faerman

Representante da SBM Offshore, que pagou propina a funcionários da estatal desde 1997, vai colaborar com as investigações do caso que correm no Rio e serão compartilhadas com a Lava Jato

Fabio Grellet, O Estado de S. Paulo

05 Agosto 2015 | 17h01

Rio - A Justiça Federal do Rio homologou o acordo de delação premiada firmado pelo Ministério Público Federal (MPF) com Júlio Faerman, representante no Brasil da empresa holandesa construtora de navios SBM Offshore, informou nesta quarta-feira, 5 o MPF. Ele é acusado de ter pago propinas de US$ 139 milhões a funcionários da Petrobrás. 

Pelo procedimento de delação, Faerman se compromete a colaborar com as investigações da Operação Lava Jato em troca de benefícios como redução da pena e possibilidade de responder a processo em liberdade. 

O acordo de delação havia sido firmado em 12 de maio, mas aguardava a homologação da Justiça Federal, que só foi confirmada nesta quarta. Por enquanto, o conteúdo da delação não foi divulgado.

Coube ao Ministério Público Federal no Rio de Janeiro firmar o acordo de delação porque a investigação sobre os contratos entre a Petrobrás e a SBM começou antes da Operação Lava Jato no Paraná, onde tramitam os processos de investigados no esquema da estatal que não têm foro privilegiado. Como as suspeitas sobre Faerman têm relação com as denúncias apuradas pela Operação Lava Jato, vai haver compartilhamento de provas.

Também em delação premiada, o ex-gerente da Petrobrás Pedro Barusco admitiu ter recebido propina da empresa holandesa desde o primeiro contrato de navio-plataforma da petrolífera firmado com a SBM Offshore em 1997, durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB).


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.