Justiça e PF fazem busca e apreensão em Macapá

A Justiça Eleitoral e Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão de documentos e computadores em Macapá, nas secretarias de Estado da Administração, da Comunicação, do Planejamento, de Finanças e da Receita, além da empresa Revolution, suspeita de ter sido contratada por R$ 4 milhões, sem licitação, em período eleitoral, o que é proibido.

ALCINÉA CAVALCANTE, Agência Estado

19 de setembro de 2012 | 09h30

A denúncia partiu da coligação Construindo e Gerando Empregos, que tem como candidato à reeleição o prefeito Roberto Góes (PDT). O governador, Camilo Capiberibe, apoia Cristina Almeida (PSB). A ação foi ordenada pelo juiz Rommel Araújo de Oliveira.

A Justiça deu prazo de dez dias para que Capiberibe apresentasse os documentos, o que não ocorreu. Segundo o ex-secretário de Planejamento e um dos coordenadores da campanha de Cristina, "como foram solicitadas muitas informações pelo TRE não foi possível fazer o levantamento em tempo hábil". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012Macapá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.