Octacilio Barbosa / Alerj
Octacilio Barbosa / Alerj

Justiça do Rio de Janeiro quebra sigilo do presidente da Alerj

Deputado estadual André Ceciliano é investigado por movimentação financeira suspeita, a partir da Operação Furna da Onça, promovida em novembro de 2018 pela Lava Jato no Rio

Roberta Jansen e Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2019 | 06h45

RIO - A Justiça do Rio de Janeiro acatou pedido do Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) e determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal do presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o deputado estadual André Ceciliano (PT). Ele é investigado por movimentação financeira suspeita, a partir da Operação Furna da Onça, promovida em novembro de 2018 pela Lava Jato no Rio.

Segundo um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf, órgão federal) anexado à investigação pelo MP-RJ, três servidores ligados a Ceciliano movimentaram R$ 45 milhões no período de janeiro de 2016 a janeiro de 2017. No fim de janeiro, Ceciliano exonerou sua assessora Elisângela Barbiere, uma das pessoas citadas no documento. Ela recebia R$ 7,7 mil por mês, mas movimentou R$ 26,5 milhões em um período de seis anos.

Em nota, o deputado afirmou que recebeu a notícia com tranquilidade e, inclusive, já havia oferecido ao MP-RJ a quebra de seus sigilos bancário, fiscal e telefônico. "O homem público não deve temer investigação", afirmou ele. "Confio na atuação do Ministério Público e na Justiça."

No total, gabinetes de 22 deputados são investigados a partir do relatório do Coaf. Foi esse documento que apontou supostas irregularidades na conta de Fabrício Queiroz, que foi assessor parlamentar do então deputado estadual (e hoje senador) Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Em dezembro de 2018, o Estadão revelou que esse relatório apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta no nome de Queiroz, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017. Nesse intervalo, ele estava registrado como assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro. Ele também é policial militar e, além de motorista, atuava como segurança do deputado. Queiroz foi exonerado do gabinete no dia 15 de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.