Justiça determina que o Incra cadastre sem-terra

O juiz substituto da 1° Vara Cível de Miranda, no Pantanal de Mato Grosso do Sul, Aldo Ferreira da Silva Júnior, determinou que o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) cadastre todas as mais de 1.500 famílias de sem-terra que estão acampadas nas entradas principais de três das 54 fazendas propriedades da Associação para Unificação das Famílias e Paz Mundial, seita presidida pelo norte coreano Sun Myung Moon, o reverendo Moon.São os imóveis denominados Rodeio, Nossa Senhora Aparecida e Jacutinga, que juntos ocupam mais de 4 mil hectares de área na região pantaneira. A decisão do magistrado atende a solicitação do advogado da Associação, Davi Moura de Olindo, na expectativa de com essa providência, os sem-terra deixam esses locais, o que poderá não acontecer.Segundo informações do Incra, o cadastramento está sendo realizado nos acampamentos de todo o Estado desde junho último, e ninguém desiste de ser acampado. Novos núcleos do gênero estão surgindo diariamente. Além das portas de fazendas, os sem-terra estão voltando a ocupar áreas destinadas para a formação de reservas ecológicas dentro dos assentamentos do Incra.Nesta semana, 50 famílias ocuparam reservas legais dos assentamentos Boa Sorte, Guaçu e Santa Rosa, no município de Itaquiraí, extremo sul do MS. As invasões acontecem nove meses depois do despejo realizado com força policial, de 32 famílias invasoras dessas áreas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.