Justiça determina bloqueio de R$ 1,4 milhão de Alagoas

O juiz da 18ª Vara da Fazenda Pública Estadual, Cláudio José Gomes Lopes, determinou nesta segunda-feira o bloqueio de R$ 1,4 milhão da conta única de Alagoas para compra de medicamentos e equipamentos necessários ao atendimento de bebês prematuros na Maternidade Escola Santa Mônica, que é administrada pelo governo do Estado e fica em Maceió. Segundo as promotoras de Justiça, Cecília Carnaúba e Micheline Tenório, que ingressaram com o pedido de bloqueio há mais de uma semana, o dinheiro deve ser transferido, de imediato, à Maternidade Escola Santa Mônica para que o diretor-médico, José Carlos Sousa Silver, providencie o reabastecimento da unidade de saúde. De acordo com a determinação judicial, os recursos transferidos para a instituição deverão ser utilizados para a aquisição imediata de surfactante, bolsa para alimentação parenteral, equipofoto-sensível, bomba de infusão, soro, água destilada, material de limpeza e desinfecção da unidade, além de materiais hospitalares e gêneros alimentícios para os próximos dois meses. "Foi uma decisão bastante esperada pelo Ministério Público e que, certamente, vai reduzir o risco de morte dos bebês", ressaltam as promotoras de Justiça. Elas declararam ainda que vão requisitar à direção da Maternidade Escola Santa Mônica toda a documentação sobre a situação dos bebês e das pacientes para apurar se houve realmente as mortes denunciadas na última sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.