Justiça determina bloqueio de bens de deputados paranaenses

Presidente e primeiro-secretário da Casa são investigados por possível conivência ou omissão no caso de nomeação de funcionários fantasmas

Evandro Fadel/CURITIBA - O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2010 | 18h34

A juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, Luciane Pereira Ramos, acatou pedido do Ministério Público do Paraná para bloquear, preventivamente, bens no valor de R$ 10 milhões tanto do presidente da Assembleia Legislativa, Nelson Justus (DEM), quanto do primeiro-secretário, Alexandre Curi (PMDB). Eles são investigados por possível conivência ou omissão no caso de nomeação de funcionários fantasmas. A juíza negou o pedido para que os dois fossem afastados dos cargos na mesa diretora.

 

O MP entrou com ação civil pública por ato de improbidade administrativa, alegando que os dois deputados não se beneficiaram, mas teriam sido coniventes com nomeações de servidores que recebiam vencimentos mensais, apesar de não trabalharem, o que teria causado prejuízo de R$ 3 milhões. Os bens bloqueados são para pagamento de possível multa caso haja condenação. Ontem, durante a sessão da Assembleia, Justus acentuou ser "homem de formação jurídica", e, por isso, acatava qualquer decisão judicial. O MP ainda estuda a decisão para analisar qual a melhor medida a ser tomada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.