Justiça determina arresto dos bens do ex-governador do ES

O ministro Barros Monteiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou hoje o arresto judicial de bens do ex-governador do Espírito Santo, José Ignácio Ferreira, por considerar que há indícios de participação do político em supostos crimes de peculato, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. O arresto judicial torna indisponíveis bens da pessoa investigada para garantir recursos para uma eventual reparação no futuro. Barros Monteiro também determinou o arresto de bens da mulher de José Ignácio, Maria Helena Ruy Ferreira, do irmão dela Gentil Antonio Ruy e do ex-coordenador da campanha eleitoral de 1998 Raimundo Benedito de Sousa Filho.Conforme o Ministério Público Federal, o ex-governador teria praticado os crimes na forma continuada. "Isso em razão de ter desviado recursos públicos em seu proveito e dos denunciados tendo, para tanto, utilizado artifício que ocultou e dissimulou a origem e a natureza dos recursos desviados", argumentou. Em breve, os 21 ministros da Corte Especial do STJ terão de decidir se aceitam a denúncia feita pelo Ministério Público contra José Ignácio e as outras pessoas atingidas pelo arresto. Se for aceita a denúncia, será aberta uma ação penal contra eles. Se for rejeitada, o caso será arquivado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.