Justiça dá prazo maior para desocupação no RS

As 1,1 mil famílias do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), que invadiram ontem uma propriedade rural de 2,8 mil hectares em Júlio de Castilhos, a 394 quilômetros de Porto Alegre, receberam da Justiça mais seis dias para deixar o local. A juíza Karen Pinheiro já havia solicitado a ação da Brigada Militar para efetuar a reintegração da fazenda Bom Retiro, mas acabou cedendo a um pedido de prazo e marcou uma reunião de conciliação entre os proprietários e os sem-terra para a próxima terça-feira. Em São Jerônimo, a 65 quilômetros de Porto Alegre, o juiz Carlos Gross deu prazo até amanhã de manhã para 700 famílias ligadas ao MST desocuparem a Agropecuária Santa Bárbara, uma cabanha considerada pioneira no transplante de embriões de gado de elite, que também foi invadida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.