Justiça dá liminar para Cachoeira explorar loterias

Após uma semana de vitórias na Justiça, o governo federal sofreu neste domingo uma grande derrota na questão dos jogos. O vencedor foi o bicheiro Carlos Ramos, o Carlinhos Cachoeira, um dos pivôs do escândalo dos bingos. O juiz Jesus Crisóstomo de Almeida, da 2ª Vara Federal em Goiânia, concedeu uma liminar que garante o direito de Cachoeira continuar a explorar jogos lotéricos.De acordo com informações do plantão da Justiça Federal, a decisão de Almeida estabeleceu que a empresa Gerplan, de propriedade do bicheiro, não poderá ser multada pelas atividades lotéricas. O juiz entendeu que a medida provisória (MP) 168 proibiu apenas os bingos e os caça-níqueis. No entanto, os jogos lotéricos não foram atingidos, de acordo com a interpretação do juiz.No sábado, uma equipe da Polícia Federal esteve na sede da Gerplan e notificou funcionários da empresa para que paralisassem as atividades. "Nós entendemos que a medida provisória 168, que proibiu os bingos, também atinge os demais jogos. Por isso estamos fechando a Gerplan", afirmou na ocasião o delegado Valdson Rabelo.Para compensar a falha na MP, redigida depois do escândalo dos bingos, o governo espera por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), prevista para quarta-feira. A expectativa é a de que o STF suspenda leis estaduais editadas para regulamentar jogos, dentre os quais bingos, caça-níqueis e loterias. Autor das ações, o Ministério Público Federal sustenta que apenas a União tem competência para legislar sobre essa matéria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.