Divulgação/Odebrecht
Divulgação/Odebrecht

Justiça da Colômbia interroga executivo ligado a esquema da Odebrecht

José Elías Melo, ex-presidente da Corficolombiana, teria informações sobre propinas pagas pela empreiteira

O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2017 | 05h11

BOGOTÁ - A Procuradoria-Geral da Colômbia convocou a interrogatório o ex-presidente da Corporação Financeira Colombiana (Corficolombiana), José Elías Melo, dentro das investigações do caso de corrupção da construtora brasileira Odebrecht.

A diligência judicial está relacionada com as investigações de suspeitas de pagamento de propina no contrato entregue da Agência Nacional de Infraestrutura com o Grupo Odebrecht para a construção da Ruta del Sol setor 2, que liga o centro do país à costa atlântica e que ainda não foi concluída.

Da Concessionária Ruta del Sol fazem parte a construtora Odebrecht, Episol (Corficolombiana) e CSS Construtores.

As investigações da procuradoria indicam que Melo, que foi presidente da Corficolombiana até abril do ano passado, poderia ter informações que ajudariam a esclarecer os detalhes dos subornos oferecidos a funcionários públicos.

Segundo documentos publicados em 21 de dezembro pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou aproximadamente US$ 788 milhões em propinas em 12 países da América Latina e África, entre os quais a Colômbia, onde os subornos ultrapassaram US$ 11 milhões entre 2009 e 2014.

Em 12 de janeiro, as autoridades colombianas detiveram Gabriel García Morales, vice-ministro de Transporte durante o governo do presidente Álvaro Uribe, pelo suposto envolvimento no caso. Ele teria recebido US$ 6,5 milhões de propina pela obra.

Posteriormente, a Procuradoria-Geral colombiana informou que foi efetuado "um segundo pagamento de US$ 4,6 milhões pela concessão da via Ocaña-Gamarra", no noroeste do país. Esta parcela da propina teria sido destinada ao ex-senador Otto Nicolás Bula. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.