Justiça considera regular a votação em Itu

A Justiça Eleitoral considerou improcedente a representação feita pela coligação do candidato Oswaldo Sonsini Júnior (PMDB) alegando irregularidades na eleição do dia 7, em Itu, município a 98 km de São Paulo. Na decisão divulgada nesta quarta-feira, o juiz eleitoral Cássio Henrique Dolce de Faria acatou a manifestação do promotor eleitoral Josmar Tassignon Júnior para quem as supostas fraudes relatadas pelo candidato do PMDB não ocorreram de fato. Sonsini Júnior ficou em segundo lugar no pleito, com 1.772 votos a menos que o vencedor, o candidato do PSD, Antonio Luiz Carvalho Gomes, o Tuize, eleito com 33.384 votos.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

24 de outubro de 2012 | 18h36

Na representação, o peemedebista alega que pelo menos quatro eleitores declararam que sua foto não aparecia na tela durante a votação. Alega ainda que pelo menos dois eleitores teriam sido impedidos de votar porque outros votaram em seus lugares e que duas urnas foram lacradas com selos de numeração igual, além de outras não terem sido computadas no resultado. Sonsini disse que vai entrar com recurso para tentar reverter a decisão. O coordenador do movimento Voto Limpo, Roberto de Castro, encaminhará à Justiça um documento com 5,6 mil assinaturas de ituanos que estariam inconformados com o resultado das eleições.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012itujustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.