Justiça cassa prefeito eleito no interior de SP

O juiz Mauro Ruiz Daró, da 300ª zona Eleitoral de São Paulo, cassou o registro do prefeito eleito da cidade de Arealva, Paulo Padanosque Pereira, o que o impedirá de tomar posse. A sentença acata a acusação de que o candidato teria dado uma prótese dentária a uma eleitora em troca de seu voto. "A compra de voto, um que seja, é golpe que se desfere à traição na democracia e que lhe contamina a seiva com veneno letal que a transforma em demagogia", escreveu o magistrado ao justificar sua decisão, onde também condenou Padanosque a pagar multa de R$ 1 mil.Arealva, de 7.500 habitantes, possui 5.367 eleitores. Padanosque teve vitoria apertada, com 2.473 votos contra 2.385 obtidos pelo seu adversário, Denílson Caride (PPS). Logo após a eleição de 3 de outubro, a coligação do PPS apresentou à Justiça Eleitoral a denúncia de que o vencedor valeu-se da compra de votos. Uma fita gravada informava que houve o oferecimento de vantagens com a troca de votos por dentaduras, pagamento de licenciamento de veículo e o oferecimento de dinheiro. Na época, o prefeito eleito negou a prática das irregularidades, atribuindo as denúncias ao inconformismo dos perdedores.Além da punição ao candidato, dois integrantes da coligação de Padanosque são acusados de participar do suposto esquema de compra de votos e deverão ser processados criminalmente. O prefeito eleito continua negando as irregularidades e adianta que recorrerá da decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.