Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Justiça afasta Robson Marinho de tribunal

Ex-secretário da Casa Civil do governo Mário Covas, conselheiro do TCE é suspeito de receber propina da Alstom após contrato de energia

FAUSTO MACEDO, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2014 | 02h01

A Justiça decretou ontem o afastamento do conselheiro Robson Riedel Marinho de suas funções no Tribunal de Contas do Estado (TCE). Marinho está sob suspeita de ter recebido na Suíça US$ 2,7 milhões em propinas da multinacional francesa Alstom, entre os anos de 1998 e 2005.

A Promotoria acusa Marinho de enriquecimento ilícito, sustenta que ele lavou dinheiro no exterior e afirma que o conselheiro de contas participou de um "esquema de ladroagem de dinheiro público".

A decisão que tira Marinho da corte de contas, sem prejuízo de sua remuneração, é da juíza Maria Gabriela Pavlópoulos Spaolonzi, da 13.ª Vara da Fazenda Pública da Capital, que acolheu pedido em medida cautelar apresentado em junho pelo Ministério Público do Estado. Hoje, o presidente do TCE, Edgard Camargo Rodrigues, será comunicado da medida.

Marinho, de 64 anos, foi chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB). Em 1997, o tucano o nomeou para o TCE.

A decisão judicial que afasta Marinho é liminar. Ele pode recorrer. A Justiça levou em conta a "supremacia do interesse público e o princípio da razoabilidade". "Trata-se de medida provisória em favor do interesse público e com vista à apuração real dos supostos atos de improbidade imputados (a Marinho)."

A Justiça avalia que o afastamento "não se trata de mero instrumento técnico, mas acima de tudo ético para proporcionar segurança jurídica à sociedade". Pesou o fato de que "o cargo ocupado (por Marinho) lhe dá plenos poderes, inclusive, para embaraçar a colheita de eventuais provas necessárias ao bom andamento da instrução processual pela influência inerente ao cargo".

A Justiça considera que todos os elementos colhidos aos autos tornam plausíveis os indícios "de que a idoneidade de Marinho não se apresenta compatível com o quanto necessário para o exercício da função de conselheiro do Tribunal de Contas". A permanência de Marinho no cargo "poderá comprometer, inclusive, a regularidade da instrução processual".

Para a Justiça, é necessário "inibir a continuidade da atuação (de Marinho)".

A Promotoria usou documentação bancária enviada pela Suíça e pela França para pedir o afastamento. Os papéis revelam a movimentação da conta secreta que Marinho abriu em Genebra em 1998 em nome da offshore Higgins Finance Ltd, constituída nas Ilhas Virgens Britânicas. A Suíça mantém bloqueados US$ 3,059 milhões de Marinho, em valor atualizado para junho de 2013.

A Promotoria afirma que o conselheiro recebeu propina para favorecer a Alstom, contratada na década de 1990 no âmbito do aditivo X do Projeto Gisel, empreendimento da Eletropaulo, antiga estatal paulista. Segundo a acusação, chegou a R$ 9 milhões a propina paga pela Alstom e sua coligada Cegelec. A parte do conselheiro teria sido repassada por meio da offshore MCA Uruguay e da Acqualux, do empresário Sabino Indelicato, apontado como "comparsa" do conselheiro. A Justiça destacou o "robusto conjunto probatório" e para "o silêncio do interessado" - Marinho nada falou acerca do crescimento de seu patrimônio e "silenciou quanto à conta aberta e ao valor bloqueado".

A Alstom informa que está colaborando com as investigações. O criminalista Celso Vilardi, defensor de Marinho, afirma que as provas do Ministério Público não têm validade porque a Suíça as declarou "nulas". Marinho afirma que "nunca recebeu um único tostão, um único dólar" da Alstom.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.