Justiça afasta prefeita acusada de desvio de recursos

A Justiça Estadual de Alagoas afastou hoje do cargo a prefeita do município de Rio Largo, Vânia Paiva (PMDB), acusada de improbidade administrativa e formação de quadrilha, num processo que apura o desvio de cerca de R$ 6 milhões dos cofres da prefeitura. Além disso, a Justiça concedeu prazo de 24 horas para que a Câmara Municipal de Vereadores dê posse a seu substituto imediato, no caso o vice-prefeito Marcos Vieira (PTB). A decisão atende a pedido liminar do Ministério Público de Alagoas e atinge ainda o secretário de Finanças, Sérgio Scavuzzi, a procuradora-chefe do Município, Wedja Lima, o presidente da Comissão Permanente de Licitações do Município, Glauco Lizias, e dois outros integrantes da referida comissão: Osvaldo Vilela e Analeide Paes.Todos os afastados são réus na ação civil por atos de improbidade administrativa proposta na última sexta-feira, no Fórum de Rio Largo, pelos promotores de Justiça de Rio Largo e do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc). De acordo com os integrantes do MP, também foi acatado, em caráter liminar, o pedido de indisponibilidade de bens de todos os afastados e de Victor Pontes, Denildo dos Santos, Francisca Aprígio, Adriano Pereira, proprietários de empresas individuais vencedoras de licitações fraudulentas ocorridas no município também citados na ação.A ação foi motivada pela constatação de fraudes em processos licitatórios - fracionamento das licitações e contratação com empresas de fachada, compras superfaturadas, termos de parceria celebrados com diversas OSCIPS sem cumprimento do objeto - com claro escoamento de recursos em "pagamentos vultosos", entre outras irregularidades.Para os promotores de Justiça do MP alagoano, "a decisão demonstrou a sensibilidade da Justiça de Rio Largo, que, de uma forma clara, manifestou seu entendimento quanto à procedência dos pedidos liminares do Ministério Público, ressaltando o conjunto de provas contundentes juntadas aos autos". Eles esperam que o Tribunal de Justiça de Alagoas "comungue do mesmo entendimento, para evitar a alternância de gestores que tanto envergonhou a comunidade rio-larguense há quatro anos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.