Justiça absolve Nicéa das acusações de ACM

O juiz da 11ª Vara Criminal da Justiça de São Paulo, Alex Tadeu Mariano Vilenowsky, absolveu Nicéa Camargo, ex-mulher do ex-prefeito Celso Pitta, das acusações de calúnia e difamação feitas contra ela pelo ex-presidente do Senado Federal, Antônio Carlos Magalhães (PFL). A sentença, em primeira instância, com 15 páginas e mais de três mil palavras, foi tornada pública no início da noite.Em março do ano passado, Magalhães ingressou na Justiça de São Paulo com uma queixa crime contra Nicéa. Diante das câmaras das televisões, Nicéa acusara Magalhães de envolvimento indireto com os esquemas de corrupção que, na época, ela denunciava em São Paulo, envolvendo o seu ex-marido Celso Pitta (PTN) e Paulo Maluf (PPB).Nicéa afirmou que Magalhães utilizava o ex-senador Gilberto Miranda (PFL) para pressionar o então prefeito Pitta a saldar dívidas do município com a construtora OAS. Um dos proprietários da OAS é genro de Magalhães. Dizendo-se ofendido com o envolvimento de seu nome no "mar de lama" que Nicéa denunciava na administração de São Paulo, Magalhães decidiu processá-la.A decisão do juiz foi tomada com base em vários depoimentos, que confirmaram o relato feito por Nicéa aos jornais na época. Em pelo menos uma ocasião, testemunhas afirmam ter visto Pitta nervoso, dizendo que Magalhães o estava pressionando para que a Prefeitura pagasse as dívidas com a OAS."Nos diversos depoimentos colhidos em Juízo (...) verifica-se que insistentemente a querelada (Nicéa) e algumas pessoas a ela ligadas afirmaram que as ´pressões´ indevidas feitas ao prefeito de São Paulo, efetivamente, existiram", diz o juiz em sua sentença.Nicéa comemorou a decisão. "Acredito na Justiça. Pelo menos comigo ela tem sido infalível", afirmou. A ex-primeira dama afirmou que ela e seus filhos vão mover um processo contra ACM, que afirmou na época que a "a família Pitta era um prostíbulo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.