Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Juristas apoiam manifesto pedindo renúncia de Dilma

Entre os presentes, José Gregori, ex-ministro de FHC, preferiu não subscrever o texto e não endossou a proposta da renúncia

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

11 de agosto de 2015 | 15h11

Atualizado às 20h39

SÃO PAULO - Cerca de 200 juristas reunidos nesta teça-feira, 11, em São Paulo, apoiaram um manifesto que pede a renúncia imediata da presidente Dilma Rousseff. O ato foi organizado pela associação dos ex-alunos da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), que celebra nesta terça-feira, 11, o Dia do Advogado -  no dia 11 de agosto de 1827 foi instalado o primeiro curso de Direito do Brasil.

"A comunidade jurídica, despida de qualquer uniforme partidário (…) declara que urge um gesto de grandeza política, para que a senhora presidente da República preserve tanto as instituições que jurou defender como sua própria biografia. Renúncia já", diz o documento. O manifesto foi redigido pelo advogado Flavio Flores da Cunha Beirrenbach, ex-ministro do Superior Tribunal Militar (STM), ex-deputado pelo MDB e presidente da associação dos ex-alunos.

Entre os juristas presentes na plateia estavam dois ex-ministros da Justiça, José Gregori e Miguel Reale Junior, ambos do governo Fernando Henrique Cardoso. Reale assinou o documento, mas Gregori preferiu não subscrever o  texto e não endossou a proposta da renúncia. Também estavam no ato o ex-deputado Almino Afonso, o jurista Modesto Carvalhosa e o ouvidor-geral do Estado de São Paulo, Gustavo Ungaro.

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Alexandre Moraes (PMDB), também esteve no evento e aplaudiu a leitura do manifesto, mas preferiu não assinar o documento e deixou o local sem falar com a imprensa.

"A comunidade jurídica está muito consciente que os caminhos de afastamento da presidente são longos: impeachment, representação por crime comum ou o processo que tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O País se encontra em uma situação terminal. A situação política e econômica exige uma medida urgente e a única possível dentro do processo democrático é a renúncia", disse Miguel Reale Junior.

Coordenador do comitê financeiro da campanha presidencial de Aécio Neves no passado, José Gregori afirmou que a realização de novas eleições só pode ocorrer "no bojo de um processo constitucional". Questionado sobre a possibilidade de Dilma renunciar ao mandato, o ex-ministro disse: "A renúncia é um ato unilateral. É preciso que a pessoa tome essa decisão. Tem a renúncia tresloucada, como a do Jânio (Quadros) e tem a renúncia construtiva, como a de Charles De Gaule depois de maio de 1968. Pode ser um ato de grandeza de uma pessoa que sente que o Brasil caminharia melhor sem a sua presença".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.