Juristas apóiam clonagem para fins terapêuticos

Pesquisas de clonagem humana para fins terapêuticos receberam apoio de grande parte dos juristas que participaram do seminário internacional ?Clonagem humana: questões jurídicas?, que se encerrou, nesta terça-feira, no Superior Tribunal de Justiça (STJ).?A classe jurídica começa a aceitar a clonagem terapêutica e entende que se trata de uma técnica com indicações e contra-indicações?, afirmou o presidente da Sociedade Brasileira de Bioética, Volnei Garrafa.Advogados e pesquisadores convidados concluíram que é preciso diferenciar a clonagem reprodutiva da terapêutica. A primeira se refere à formação de um embrião a partir da célula de um doador adulto.Já as pesquisas para fins terapêuticos tentam criar órgãos e tecidos para usá-los no tratamento de pacientes com diabetes, mal de Parkinson ou Alzheimer. Ela utiliza as chamadas células-tronco (encontradas em pessoas adultas, cordão umbilical e placenta).A professora da Universidade de São Paulo, Mayana Zatz, lembrou, porém, que existam argumentos contra o uso de embriões para a clonagem terapêutica. Entre eles, o de que a técnica poderia incentivar o comércio de embriões ou abrir caminho para a clonagem de seres humanos.Para Garrafa, também ficou claro o apoio da maioria dos palestrantes à manutenção da legislação que proíbe a clonagem humana reprodutiva.De acordo com o presidente do Instituto Ludwig, Ricardo Renzo Brentani, a legislação brasileira já teria condições de repelir qualquer tipo de manipulação genética de organismos vivos. ?Se alguém fizer escondido, é só chamar a polícia.?Na visão de Brentani, as novas tecnologias substituiriam a clonagem para fins terapêuticos. Uma das preocupações dos cientistas brasileiros é a aprovação de projetos no Congresso Nacional que impeçam qualquer tipo de clonagem antes de uma discussão mais aprofundada sobre o assunto."Queremos abrir as discussões; a Justiça precisa informar-se e refletir sobre as questões éticas da biotecnologia", afirmou Garrafa, acrescentando que a jurisprudência sobre o tema ainda é precária.Durante o encontro, especialistas na área de genética aproveitaram para criticar a novela da Rede Globo ?O Clone?. Para eles, a história transmite erroneamente a idéia de que a técnica é simples. ?O clone só dá certo na TV Globo?, ironizou Ricardo Brentani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.