Jurista diz que Constituição é ?estuprada? pelo MST

O jurista Ives Gandra Martins declarou hoje que a Constituição brasileira é ?estuprada? todos os dias pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Durante o seminário ?Brasil: Propostas de Desenvolvimento?, aberto pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio da Câmara dos Deputados, Gandra argumentou que a insegurança jurídica é uma das amarras à atração dos investimentos ao País e que uma de suas manifestações ? as invasões e os conflitos no campo- se deve à falta de coragem do atual governo em ?enfrentar? o MST.?Os sem-terra tornam desta senhora a mais estuprada do Brasil. Ela é estuprada todos os dias pelos sem-terra?, afirmou Gandra, brandindo um exemplar da Constituição de 1988. ?Se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tivesse a coragem de enfrentar seus antigos aliados, teria tudo (para deslanchar o desenvolvimento do País), porque ele tem o caráter de um líder carismático?, completou. Além da insegurança jurídica, Gandra chamou a atenção para as outras quatro amarras ao desenvolvimento: os excessos de burocracia, as altas taxas de juros, a elevada carga tributária e os altos gastos incutidos no sistema federalista do País. Conforme explicou, com ambiente de ?ordem? e uma burocracia profissionalizada, o cenário econômico para o País será bem diferente - as taxas de juros cairão, a economia crescerá e diminuirá a carga tributária, sem sua previsão. O Brasil teria, segundo ele, condições de apresentar-se em condições mais vantajosas na disputa por investimentos diretos estrangeiros com a Índia, a China e a Rússia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.