Jungmann tenta suspensão da ação movida contra ele

O advogado de defesa do deputado Raul Jungmann (PPS-PE), Marcos Jorge Caldas Pereira, entrou na terça-feira com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar suspender a ação de improbidade administrativa que corre na Justiça Federal do Distrito Federal. Na reclamação, segundo o site do STF, alega-se que "o processamento da ação usurpa a competência do Supremo para processar e julgar o parlamentar". Isso porque agentes públicos, como deputados federais e ministros de estado, têm a prerrogativa do foro privilegiado. É o caso de Raul Jungmann, diz sua defesa, já que o atual deputado reeleito foi indiciado na ação civil por supostas irregularidades ocorridas quando era ministro do Desenvolvimento Agrário. Jungmann, que foi o vice-presidente da CPI dos Sanguessugas, foi denunciado pela Procuradoria por ter participado de um suposto esquema de desvio de recursos público do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), à época em que foi ministro do Desenvolvimento Agrário, durante a segunda gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, entre 1998 e 2002. Este esquema, segundo a denúncia da Procuradoria, seria realizado para pagamento de contratos de comunicação e publicidade do Incra. O prejuízo, de acordo com a Procuradoria, é estimado em R$ 33 milhões.

Agencia Estado,

17 Janeiro 2007 | 18h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.