Jungmann propõe, ?democraticamente, baixar o pau? no MST

O ex-ministro do Desenvolvimento Agrário, deputado Raul Jungmann (PMDB-PE), defendeu que o governo federal se utilize dos meios legais disponíveis para reprimir a onda de invasões do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Para Jungmann, que foi ministro do governo Fernando Henrique, o governo federal deve se articular com as secretarias de Segurança e de Justiça dos Estados e com a Polícia Federal para, "democraticamente, baixar o pau" em caso de excesso por parte dos sem-terra. Na opinião do ex-ministro, quando os acampamentos crescem da forma que se vê nas últimas semanas ou o governo assenta os acampados ou haverá conflitos. O grande problema é que a necessidade do governo federal gerar superávit primário enxugou os recursos para a reforma agrária. Em outras palavras, Brasília não tem recursos para assentar todos os acampados. Segundo Jungmann, o governo do PT vive uma crise de identidade, porque sempre estimulou o movimento e agora, no poder, vai se voltar contra aqueles que sempre defendeu. "O MST confronta o Lula, pois o presidente optou pela qualidade e não pelo volume de assentamentos. É por isso que eu não gosto daquela história do boné. Quem é juiz e tem a caneta na mão não põe boné", afirmou. Ele disse ainda que o MST vê no conflito com o governo a possibilidade de crescer. O ex-ministro criticou o fato da esquerda brasileira sempre ter trabalhado nos limites da lei. Agora, no entanto, comete o equívoco de não entender que o Estado de Direito democrático pressupõe o cumprimento da lei, a própria lei que elegeu Lula. "O PT precisa descer do muro, que antes dizia-se ser lugar de tucano. Mas agora tem petista lá que não quer descer", ironizou Jungmann, referindo-se a falta de atitude do governo em relação ao MST.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.