Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Jungmann diz que vazamentos representam 'assassinato político' de Temer

Ministro ponderou que não se referia à PF, mas a todas as instituições que devem manter dados de inquéritos sob sigilo

Felipe Frazão e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2018 | 18h56

BRASÍLIA - Titular do Ministério da Segurança Pública, ao qual a Polícia Federal está vinculada, o ministro Raul Jungmann afirmou nesta segunda-feira, 11, que vazamentos de dados sobre o inquérito que investiga o presidente Michel Temer representam um assassinato moral e político do emedebista. Mais cedo, em discurso durante cerimônia no Palácio do Planalto, ele afirmou que Temer era vítima de injustiças.

+ Sistema Único de Segurança será sancionado nesta segunda

"O presidente tem tido um comportamento impecável e respeitoso a todas as regras a que se vê submetido nos processos que enfrenta. A injustiça vem dos vazamentos diários, e não tem contraparte em termo de detalhes. Vazamentos representam um assassinato civil e político do presidente. Representa uma injustiça e um assassinato moral do presidente e de que qualquer um de nós", disse o ministro.

Jungmann ponderou que não se refere à PF, mas a todas as instituições que devem manter os dados sob sigilo. Ele disse que não só Temer, mas também outros políticos são alvos de "campanha diária" por meio do vazamento de dados sigilosos de investigações. "Não estou fazendo qualquer reparo ao devido processo legal", afirmou. "É algo que agride a consciência de Justiça. Se, ao final, alguém é absolvido, quem vai ressarcir por tudo o que foi passado? Se for culpado, o processo já é a pena."

+ Planalto diz que não irá comentar reprovação recorde de Temer

O ministro disse não acompanhar passo a passo apurações que ele mesmo determinou à PF por causa de dados do inquérito dos portos, que tem Temer como um dos alvos, os quais vieram a conhecimento público por meio de reportagens.

Sobre a impopularidade de Temer, que chegou a 82% conforme a última pesquisa Datafolha, Jungmann afirmou que a popularidade "vem e vai" e que o governo do emedebista "enfrentou muita dificuldade" e "tomou medidas que contrariaram o interesse de corporações". Jungmann ponderou que Temer "não irá colher os frutos do que está criando", mas tem responsabilidade com o Estado". 

O ministro comparou Temer a um "timoneiro" e afirmou que o presidente "dá exemplo de como enfrentar uma crise". "Os brasileiros serão gratos por esses dias difíceis e árduos", disse. O ministro afirmou que o governo federal pela primeira vez dá um rumo no combate à violência no País e que as medidas do governo são suficientes para enfrentar o crime organizado, garantindo "segurança, direito à vida, à tranquilidade e ao sossego".

Mais conteúdo sobre:
Raul Jungmann Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.