Jungmann diz que invasões são "página virada"

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann disse que "invasões de terras no Brasil são página virada". De acordo com o ministro, o número de invasões tem caído a cada ano. Segundo dados do ministério, em 1999 foram 445, no ano passado, 226 e para este ano a expectativa é que o número chegue a 130 ou 140. "Houve uma queda de 70%, e tenho certeza que não vão voltar a se intensificar", observou. O ministro esteve na Escola Superior de Guerra (ESG) onde falou sobre "Política Fundiária e de Reforma Agrária". Para Jungmann, um conjunto de fatores contribuiu para a diminuição de invasões: o avanço da reforma agrária, que já beneficiou meio milhão de famílias; o combate à grilagem, e uma medida provisória de maio de 2000 que diz que terra invadida não entra na reforma agrária. "Nós já cancelamos 40 milhões de hectares e já demos 2,4 milhões para o meio ambiente. Até o fim do ano, vamos destinar 20 milhões de hectares para a natureza. Isso tudo também liberou muita terra para fazermos a reforma agrária", contabiliza. O ministro considera que o "campo brasileiro está menos tenso". "Isso levou a uma queda das mortes e, conseqüentemente, da violência no campo brasileiro. Temos problemas, mas são muito menores que nos anos anteriores", afirma. Ele, no entanto, diz que é preciso melhorar o recursos para assistência técnica, assim como a infra-estrutura. "Estamos expandindo enormemente a habitação e a energia para áreas distantes. Mas é preciso, por exemplo, incrementar a parte de rodovias", disse. O ministro defendeu uma mudança no sistema bancário, para agilizar o trabalho com agricultores. "A gente libera grandes somas para safra mas os bancos, com a sua burocracia, muitas vezes impedem que você realize o que deseja. Banco no Brasil, seja ele privado, sobretudo, ou seja público, inclusive, não foi feito para pobre, agricultor e sem-teto", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.