Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Julgamento sobre Receita e Coaf marca isolamento de Toffoli

Antes de mudar seu voto, o presidente do Supremo recebeu série de críticas dos colegas

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2019 | 11h07

BRASÍLIA - O julgamento sobre o compartilhamento de dados sigilosos da Receita e do antigo Conselho de Controle de Atividade Financeira (Coaf) - que deve ser concluído nesta quarta-feira, 4 - marcou o momento de maior isolamento do ministro Dias Toffoli desde que assumiu a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), em setembro do ano passado.

Na iminência de uma derrota, Toffoli mudou o próprio voto e se alinhou ao grupo que defende o amplo repasse de informações da Receita. Antes do recuo, o ministro recebeu (nos bastidores e publicamente) uma série de críticas dos próprios colegas.

A principal queixa dos integrantes da Corte foi a inclusão, por Toffoli, do Coaf na discussão. Originalmente, o caso tratava sobre sonegação fiscal por parte de donos de um posto de gasolina em Americana (SP). A matéria girava em torno da atuação da Receita, mas Toffoli ampliou o escopo, incluindo o órgão de inteligência financeira na análise, o que abriu margem para dar uma liminar que suspendeu 935 casos e beneficiou o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ). A apuração de um esquema de “rachadinha” no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) se apoia em relatórios do Coaf.

A manobra foi duramente criticada nas sessões de julgamento transmitidas ao vivo pela TV Justiça. Conhecida pela postura discreta, a ministra Rosa Weber disse ter “perplexidade” em analisar a questão do Coaf em um caso que não dizia “uma linha a respeito” do órgão.

Cármen Lúcia, por sua vez, considerou a inclusão do Coaf uma “expansão inadequada juridicamente”. “O interessado (Flávio) não compõe este processo, não comparece em qualquer condição, não era parte”, reprovou Cármen. Ricardo Lewandowski endossou a ala contrária à ampliação do debate: “Eu tenho muita dificuldade em enfrentar esse tema (Coaf), que não foi suscitado em nenhum momento.”

Marco Aurélio Mello e Celso de Mello também se manifestaram pela exclusão do Coaf da decisão final, que vai ser proclamada nesta quarta. Toffoli entende que a questão já foi superada, mas é possível que a controvérsia volte a dominar o plenário na hora em que os ministros forem definir a tese do julgamento, que é uma espécie de resumo com o entendimento da Corte sobre o tema.

Recuos

Após Toffoli ler o “primeiro” voto, que colocava limites à atuação da Receita e do Coaf, integrantes da Corte, do Ministério Público e da Receita enfrentaram dificuldade para compreender totalmente a posição do presidente do Supremo.

O ministro Luís Roberto Barroso chegou a dizer a colegas que seria preciso chamar um “professor de javanês” para compreender o voto do presidente, em um comentário flagrado pela imprensa. Depois, o ministro lamentou que o comentário "privado" tenha sido veiculado como uma declaração pública.

O entrave de compreensão reapareceria na última sessão, quando Toffoli retificou o voto, mas sem informar totalmente a extensão do ajuste. “O que se verificou, que durante os debates, e o ministro Alexandre (de Moraes) apontou isso, que seria possível avançar para já ao cassar o acórdão determinar o retorno da sentença condenatória de primeira instância. Nesse sentido eu retifico o meu voto, para também votar no sentido de cassar o acórdão proferido para restabelecer a primeira instância. Faço ressalvas, mantenho as minhas ressalvas, mas adiro à conclusão da douta maioria”, disse.

Coube à assessoria do presidente do Supremo prestar os esclarecimentos depois, explicando que o ministro também acompanharia o entendimento a favor do amplo compartilhamento de informações da Receita, como havia defendido Moraes.

O caso representou mais um recuo de Toffoli em julgamentos relevantes. Ele já havia alterado sua posição sobre a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância e mudou o próprio voto em julgamento sobre a blindagem de deputados estaduais. Em comum, todos os casos tinham como pano de fundo interesses da classe política.

Lagosta

Esta não é a primeira vez que a postura de Toffoli é alvo de insatisfação dentro da Corte. Ministros já haviam reprovado a decisão - tomada por Alexandre de Moraes, no inquérito instaurado por Toffoli - de censurar reportagem jornalística no site O Antagonista e na revista digital Crusoé, que mencionava Toffoli.

O controverso edital de R$ 481 mil para a compra de medalhões de lagosta e vinhos importados - com premiação internacional - para as refeições servidas aos integrantes do STF e convidados também provocou desconforto. Um ministro disse reservadamente à reportagem que a compra não foi previamente discutida pelos magistrados em sessão administrativa e, portanto, não foi chancelada pelo colegiado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.