''''Julgamento está sob suspeição'''', afirma Dirceu

Ex-ministro acusa a imprensa de interferir no processo de julgamento no Supremo e diz temer pelo seu futuro

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2031 | 00h00

Na primeira entrevista desde que se tornou réu, sob acusação de chefiar a "quadrilha" do mensalão, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu colocou sob suspeita a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Acusou a imprensa de interferir no processo e disse temer por seu futuro. "No mínimo, está sob suspeição o julgamento", afirmou, ao comentar a divulgação de conversa na qual o ministro Ricardo Lewandowski diz que o STF "votou com a faca no pescoço". Ele negou a intenção de tentar invalidar o processo na Justiça, mas disse que o episódio seria suficiente para que isso ocorresse em outro país.?EM PÂNICO?"Estou perplexo, estupefato e quase entrando em pânico ao ler uma manchete dessas. Eu pergunto: quem vai defender a Constituição e a República? Porque o STF é o garantidor da Constituição e dos fundamentos da República. Primeiro, a imprensa divulga e-mails trocados por ministros durante o julgamento. É impensável em qualquer país. É evidente que é uma inconstitucionalidade, uma violação da lei. Agora vem a público: ?Supremo votou com a faca no pescoço, diz Lewandowski.? ?Tribunal pretendia amaciar para Dirceu, mas foi acuado pela imprensa.? Como vocês acham que me sinto? No mínimo, está sob suspeição o julgamento. Cabe à democracia, ao Supremo, à OAB, ao Congresso, à imprensa debater isso. Não pode passar em branco. Se passar, quem me dá garantia de que serei julgado de forma absolutamente dentro da lei e da Constituição? (...) Realmente temo por meu futuro. Quero um julgamento justo."GOVERNO LULA"Nem o presidente nem o governo estão sendo julgados. Não existe na Constituição, julgamento político. São 40 cidadãos que serão julgados."?DITADURA DA MÍDIA?"A mídia no Brasil não tem poder nenhum, né? Estou com dó da mídia. A mídia é um poder no Brasil. Estamos caminhando quase para uma ditadura da mídia."MENSALÃO"Se tem mensalão ou não vai ter que ser provado no processo. Da minha parte, como ministro e liderança do PT, jamais participei de qualquer reunião ou fui informado da existência de mensalão."PT"Não voltarei à direção do PT. Já cumpri minha obrigação com o PT. Fui secretário-geral do PT por cinco anos e presidente do partido por sete. Acho que é suficiente."PUNIÇÃO"O PT já pagou um preço político e está adotando medidas com relação à prática de caixa 2 e métodos de direção. Teve dirigente expulso e vários desfiliados. Essa tese de que há impunidade, não há responsabilização dos dirigentes do PT beira o ridículo."FHC"Do presidente Fernando Henrique, há um livro dos escândalos do governo dele. O critério que ele tem de que o presidente Lula foi no mínimo leniente, imagine ele. É dois pesos e duas medidas. Mas ele está no papel dele, de oposição."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.