Julgamento do TRF-4 lota hoteis em Porto Alegre

Julgamento do TRF-4 lota hoteis em Porto Alegre

Estabelecimentos próximos a tribunal apresentam lotação, enquanto hospedagem solidária é alternativa para militância

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 08h40

A dois dias do julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional da 4.ª Região (TRF-4) em Porto Alegre, vários hotéis vizinhos ao tribunal estão lotados.

++ À espera do julgamento de Lula, movimentos montam acampamento em Porto Alegre

++ Dos 77 condenados por Moro, TRF-4 só absolveu 5

A Frente Brasil Popular, que organiza os atos em defesa de Lula, espera 50 mil pessoas - a capital gaúcha em cerca de um 1,4 milhão habitantes. Dos dez hoteis consultados pelo Estado, todos nas proximidades do TRF-4, seis estavam lotados. Os demais estavam nos últimos apartamentos.

A organização dos atos pró-Lula fez ainda uma parceria com a agência de viagens Roma Tour para hospedagens com descontos. Segundo o dono da empresa, Romalino Freitas, foram fechados cerca de 80 apartamento, até sexta-feira, 19. “O que ainda é muito pouco perto do universo de pessoas que estão vindo pra cá”, disse.

De acordo com os dados do PT do Rio Grande do Sul, 323 pessoas solicitaram acampar com o Movimento dos Sem Terra, que estarão no Anfiteatro Por do Sol. Outras 1,4 mil ficarão em alojamentos coletivos, que são ginásios, associações, sindicatos - tudo gratuito.

No site comlulaempoa.com.br, há ainda uma categoria de “hospedagem solidária”, em que moradores de Porto Alegre oferecem suas casas para os militantes de outras regiões. Cerca de 150 pessoas vão dormir em casas de gaúchos.

++ PT prepara ‘abraço coletivo’ para proteger Lula

Um dos que abrirão as portas é Janice Antonia Fortes, aposentada de 62 anos. Filiada ao PT desde o início dos anos 2000, ela irá receber dois correligionários por dois dias. Para ela, abrir a casa é “mais uma forma de luta”.

“Hospedar meus companheiros de partido dispostos a grudar ombros nesta luta justa, se propor a encarar uma longa viagem para mostrar indignação com a possibilidade de impedir  a candidatura de Lula em 2018, acho que vale, para mim é mais uma forma de lutar”, afirmou.

Apesar de as manifestações terem começado no início do mês, será nos dias 23 e 24, que Porto Alegre atingirá sua lotação máxima. O ato da véspera do julgamento, contará com a presença dos senadores Paulo Paim (PT-RS), Roberto Requião (MDB-PR), da deputada Alice Portugal e do líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos.

Em coletiva de imprensa feita na sexta-feira, o vice-presidente do PT do Rio Grande do Sul, Carlos Pestana, disse que há uma “forte expectativa” das entidades e uma “enorme vontade” do próprio Lula de comparecer nos atos anteriores ao julgamento. “A idéia é que ele participe deste ato do dia 23 em Porto Alegre e volte para São Paulo a fim de participar das atividades na Avenida Paulista”, informou Pestana.

Também na coletiva, o presidente da CUT no Estado reafirmou que as manifestações serão pacíficas. “Nós vamos colaborar com a Segurança Pública para identificar qualquer tipo de anormalidade e atitude que fuja ao nosso propósito de fazermos manifestações pacíficas”, disse Claudir.

Segundo a programação do PT, nos dias que antecedem o julgamento e no dia 24, haverá protestos em outras cidades do País e do exterior, como Paris, Nova York, Cidade do México e Munique.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.