Julgamento do mensalão pode redefinir credibilidade da Justiça

A própria imagem da Justiça está em jogo, segundo juristas, advogados, magistrados, procuradores e entidades

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2026 | 00h00

Diante de seu maior desafio - o processo do mensalão -, desde que absolveu o ex-presidente Fernando Collor, há 13 anos, o Supremo Tribunal Federal (STF) tem oportunidade de resgatar parte da credibilidade do Judiciário e da própria corte. Essa é a avaliação de juristas, advogados, magistrados, procuradores e entidades como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Associação Brasileira de Imprensa (ABI)que acompanham de perto os trabalhos do STF. ''''A imagem do Judiciário está em jogo, a sociedade está numa expectativa muito grande'''', diz Walter Nunes, presidente da Associação dos Juízes Federais. (Ajufe).O julgamento, histórico porque é o maior de todos já submetido à instância máxima da Justiça, pode abrir caminho para o STF se descolar de símbolos que freqüentemente lhe são atribuídos, como o da impunidade e o da indulgência. O STF nunca condenou seus réus, detentores do foro privilegiado porque ocupantes de cargos públicos.Os ministros ainda estão apreciando apenas a admissibilidade de recebimento da denúncia contra os 40 acusados do mensalão - o julgamento de mérito, ou seja, eventual condenação pode ficar para daqui a 5 anos, pelo menos. ''''A corrupção e a impunidade estão levando a população a um descrédito na ação política e nas instituições'''', adverte d. Geraldo Lyrio Rocha, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. ''''A Igreja tem grande expectativa em que os princípios éticos prevaleçam.''''D. Geraldo manifestou-se sobre a batalha do mensalão na última quarta, quando os ministros do STF começaram a decidir sobre a denúncia da Procuradoria-Geral da República, peça de 136 páginas e anexos que acusa formalmente políticos, empresários, advogados e publicitários como operadores de um negócio de R$ 55 milhões.O presidente da CNBB alertou que ''''o momento atual está colocando em xeque a credibilidade do próprio País''''. Ele reiterou os termos da nota Democracia e Ética, subscrita pelos bispos do Conselho Permanente da entidade e divulgada em junho. ''''Estamos perplexos. São freqüentes as denúncias de corrupção em várias instâncias dos três Poderes. Cresce a indignação ética diante da violação de valores fundamentais.''''O documento da CNBB invoca Isaías, o profeta, e Paulo, o apóstolo. ''''A ambição desmedida de riqueza e de poder leva à corrupção. A denúncia do profeta Isaías vale também hoje: ''''Eles gostam de subornos, correm atrás de presentes; não fazem justiça ao órfão e a causa da viúva nem chega até eles.'''' Por isso, as palavras do apóstolo Paulo são apropriadas para este momento: ''''Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem''''.''''O presidente em exercício do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Vladimir Rossi Lourenço, atesta que ''''o julgamento é histórico até porque não há precedentes''''. Ele vê um ponto positivo na atuação do STF. ''''Mostra que as instituições estão funcionando, não importa quem é o acusado. Isso realça a independência do Judiciário. Ainda que não seja decisão final, as pessoas devem se preparar para cumprir as leis, praticar atos com probidade, especialmente na administração.''''''''PURIFICAÇÃO''''Para o jornalista Maurício Azêdo, presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), o julgamento do mensalão ''''é uma oportunidade que se oferece ao Judiciário de se afirmar perante a sociedade como um dos Poderes empenhado na purificação dos costumes políticos do País e na defesa dos dinheiros públicos''''.Azêdo destaca que o STF ''''está colocado também diante de um desafio, num momento em que a opinião pública assiste com estupor a indulgência com que têm sido tratados no âmbito do Judiciário os ladrões dos dinheiros públicos''''.Ele assinala que ''''o julgamento pode ser um marco e um definidor de caminhos para o conjunto do Judiciário e uma oportunidade ou desafio para a revisão do seu próprio comportamento''''.Amaury Portugal, presidente do Sindicato dos Delegados da Polícia Federal em São Paulo, alerta que ''''não só o Judiciário como o Congresso estão na mira do povo''''. Ele inclui o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) no protesto. ''''As instituições estão desacreditadas ao máximo. Poucos confiam no Judiciário ou no Congresso. O quadro de indignação vai ficar mais crítico se não punirem severamente Renan e os mensaleiros. As provas são contundentes, todo mundo sabe. A impunidade desmoraliza e enfraquece as instituições, abala a democracia. O STF levou um ano e 5 meses apenas para decidir sobre a denúncia. Na história do Supremo nunca houve condenação. A sociedade exige que o STF se redima de tudo isso.''''''''A tradição no Supremo é digna da confiança da sociedade'''', reage Marco Aurélio Mello, veterano ministro do STF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.