André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Julgamento de Lula rende 708 mil menções no Twitter em 24 horas

Ápice das interações ocorreu entre as 19h e 20h quando a ministra Rosa Weber proclamava seu voto

Caio Rinaldi, O Estado de S.Paulo

05 Abril 2018 | 16h11

Um dos principais campos de batalha na política atualmente, o ambiente virtual voltou a registrar grande fluxo de interações em torno do julgamento do pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula, no Supremo Tribunal Federal (STF). Levantamento elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e obtido com exclusividade pelo Estadão/Broadcast revela 708,6 mil menções ao caso no Twitter num período de 24 horas, compreendidas entre a 0h de quarta-feira até 0h de quinta-feira.

'Nos fingimos de espertos e criamos um grave problema', diz Gilmar sobre STF

O volume ficou menor do que o registrado durante a audiência que analisou o recurso da defesa de Lula apresentado ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), aponta a FGV, quando houve 1,2 milhão de mensagens sobre o tema na rede social. Por outro lado, o relatório afirma que o julgamento de ontem "engajou representativo debate associado a muitas outras agendas, como a intervenção militar na política, o Judiciário e o cenário eleitoral deste ano, se posicionando de forma central como um condutor do debate público brasileiro nas redes sociais".

Defesa de Lula ainda vê chances de 'reverter' condenação

Cercado de expectativas, por conta de sinalizações mistas em casos anteriores, o voto da ministra Rosa Weber foi o momento "mais quente do debate", mostram os dados. Foram mais de mil tuítes por minuto em referência, direta ou indireta, ao julgamento. O ápice das interações ocorreu entre as 19h e 20h, justamente quando a ministra proclamava seu voto no caso.

Entre os tópicos mais abordados durante o julgamento, o tema da segurança pública teve destaque. "Ainda sob o efeito dos ataques promovidos à caravana de Lula pelo Sul, na semana passada, o ex-presidente persiste como o ator político mais fortemente associado à temática de segurança pública, embora novamente Jair Bolsonaro esteja recuperando espaço no debate (também por conta da repercussão dos eventos associados à caravana)", afirma o Dapp-FGV.

Ainda em relação ao tema, o recente posicionamento do general Eduardo Villas Bôas "aumentou a discussão sobre o tópico em associação a Temer, por conta do contexto político relacionado ao Ministério da Defesa, ao Ministério da Segurança Pública e dos resultados da intervenção federal no Rio de Janeiro".

Gleisi Hoffmann: 'Com prisão de Lula, viraremos republiqueta de banana'

Ao mesmo tempo, a atividade na rede social revelou que os usuários também têm observado questões econômicas. No tema, o relatório destaca o debate sobre salários no funcionalismo público e a má aplicação dos impostos. "Usuários afirmam que pagamento de salários de altos cargos do funcionalismo e de comissionados é exemplo de mau uso do dinheiro público", aponta a FGV.

* A Diretoria de Análise de Políticas Públicas (Dapp) da Fundação Getulio Vargas (FGV) produz semanalmente relatório sobre o comportamento das redes sociais com ênfase em temas do cenário político envolvendo os potenciais candidatos à Presidência da República com exclusividade para o Broadcast Político. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.