DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Julgamento da chapa Dilma-Temer deve ser interrompido por pedido de vista

Ministro Napoleão Nunes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já sinalizou que deve pedir mais tempo de análise para se debruçar sobre o caso

Rafael Moraes Moura e Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2017 | 21h06

BRASÍLIA - Marcado para começar na próxima terça-feira, 4, o julgamento da ação que pode levar à cassação do presidente Michel Temer (PMDB) deve ser interrompido por um pedido de vista. Segundo o Estado apurou, o ministro Napoleão Nunes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já sinalizou que deve pedir mais tempo de análise para se debruçar sobre o caso.

Com o pedido de vista, aumentam as chances de o julgamento ser concluído com uma composição diferente da atual. Os ministros Henrique Neves e Luciana Lóssio deixarão a Corte Eleitoral em abril e maio, respectivamente. Serão substituídos por Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira - dentro do Planalto, a expectativa é a de que os novos ministros votem contra a cassação.

Nesta quarta-feira, 29, o Estado revelou que o Ministério Público Eleitoral (MPE) pediu ao TSE a cassação de Temer e a inelegibilidade da presidente cassada Dilma Rousseff (PT).

O processo é considerado por ministros do TSE o mais importante da história do tribunal, de grande complexidade e com impacto direto na estabilidade política do País, o que aumenta as chances de algum integrante da Corte Eleitoral pedir mais tempo para análise.

Os números são superlativos: 52 pessoas prestaram depoimentos à Justiça Eleitoral - entre elas, 10 ex-executivos da Odebrecht -, os autos foram distribuídos ao longo de 27 volumes, o relatório do ministro Herman Benjamin soma 1.086 páginas - e o processo como um todo, cerca de 7 mil.

"Se em processos comuns, envolvendo cassação de prefeito e governador, é comum ter pedido de vista, por que haveria a proibição num caso como esse, que envolve o presidente da República?", comentou um integrante da Corte Eleitoral ouvido pela reportagem sob a condição de anonimato. "Acho natural o pedido de vista nesse caso", completou.

O ministro Napoleão Nunes não respondeu aos contatos da reportagem. Ele é o segundo ministro a votar, logo depois de Herman Benjamin.

Um outro ministro dá como certo que o julgamento não terminará na próxima semana, apesar da maratona de sessões dedicadas para o julgamento - serão duas sessões ordinárias e duas extraordinárias para tratar da ação.

Suspensão. Ao longo das últimas semanas, o TSE interrompeu dois julgamentos de casos menos complexos, que envolviam a cassação de chapa de governadores. Na última terça-feira, a Corte Eleitoral interrompeu a análise da cassação do governador de Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), e da vice-governadora Cláudia Telles (PV), depois do pedido de vista do ministro Luiz Fux.

Na semana passada, também foi suspenso o julgamento do governador do Amazonas, José Melo (PROS), que tenta reverter no TSE a cassação do seu mandato, determinada pelo Tribunal Regional Eleitoral amazonense (TRE-AM) no ano passado. O governador é acusado de participar de um esquema de compra de votos que teria beneficiado sua reeleição na campanha de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.