Juízes do trabalho vão despachar em aldeia indígena

Pela primeira vez na história do País, juízes trabalhistas despacharão de uma aldeia indígena. Nas 66 ações que serão resolvidas quarta e quinta-feira na reserva de Jagupiru, no Mato Grosso do Sul, os índios pedem o reconhecimento de direitos pelos períodos em que trabalharam em usinas de álcool e açúcar. "Além de despertar os índios para seus direitos, até então desconhecidos pela maioria, a expectativa é que as visitas às aldeias levem aos juízes um maior conhecimento da realidade do trabalho indígena", comentou o presidente interino do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Vantuil Abdala. Nas audiências, o TST será representado pelo ministro Lélio Bentes.De acordo com informações do tribunal, os índios começaram a trabalhar no plantio e na colheita de cana na década de 80. Eles eram recrutados pelos próprios caciques a pedido dos donos das usinas, sem direitos trabalhistas ou carteira assinada.Conforme o TST, as primeiras ações pedindo o reconhecimento de direitos de índios foram encaminhadas à Justiça pelo Ministério Público do Trabalho em 1993. Segundo o tribunal, naquela época parte das usinas começou a contratar legalmente os índios. Com o passar dos anos, o número de ações movidas por índios aumentou consideravelmente, mas, em muitos casos, a distância entre as aldeias e as Varas do Trabalho fez com que os pedidos fossem arquivados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.