ANDRE DUSEK/ESTADAO
ANDRE DUSEK/ESTADAO

Juízes da Lava Jato ganharam escolta

Edson Fachin, Marcelo Bretas e Sérgio Moro mudam rotina e têm segurança reforçada em meio ao avanço das investigações da operação

Rafael Moraes Moura e Ricardo Brandt, Impresso

20 Maio 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Os principais magistrados que analisam casos relacionados à operação Lava Jato vivem sob escoltas ou já relataram ter sido ameaçados. A operação, iniciada em 2014, descobriu desvios de milhões de reais dos cofres públicos e condenou e prendeu políticos e empresários por crimes de corrupção.  Levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), obtido pelo Estado, aponta que 6 em cada mil magistrados estão sob ameaça no Brasil.

+ 110 magistrados estão sob ameaça no País, diz CNJ

+ AMB relaciona episódios de ameaças a juizes à 'agressividade social'

Responsável pela Lava Jato no Rio, o juiz da 7.ª Vara Federal Marcelo Bretas vive sob proteção policial 24 horas por dia. O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, recebe proteção diária de agentes de segurança. O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), também ganhou reforço na segurança pessoal e para sua família depois de revelar, em março, que tem sofrido ameaças.

Após o relato, presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, autorizou o aumento do número de agentes para escolta permanente de Fachin e encaminhou ofício para todos os colegas do Supremo sobre a necessidade de reforço na segurança. Segundo o Estado apurou, Fachin é o único ministro do STF que já pediu aumento na proteção pessoal. Procurado pela reportagem, ele não quis se pronunciar.

+ STF reforça segurança de Fachin e reduz agentes em SP e no Rio

Em entrevista ao Estado em março, Cármen disse que “a Justiça não se intimida” com tentativas de constrangimento. “Primeiro porque ela tem um papel constitucional a cumprir do qual ela não pode se subtrair. A prestação da Justiça significa exatamente atender a quem tem direito”, disse. “O que o juiz ameaçado precisa é de garantia para ter tranquilidade e cumprir as suas funções”, completou a ministra, ressaltando que decisões judiciais sempre trazem um “nível de insatisfação”.

+ 'A Justiça não se intimida’, diz presidente do Supremo

Com 20 anos de carreira, Marcelo Bretas viu a sua vida mudar há dois anos, quando passou a cuidar dos casos relacionados ao esquema de corrupção instalado na Petrobrás. “Eu não tenho liberdade, nem eu nem a minha família. É uma vida sem liberdade”, afirmou o juiz, depois de participar de evento em Brasília no último dia 7. “É um preço a pagar. A questão é isso: não é o ideal, mas agora vou até o fim. Já estou nisso, então vou continuar”, disse.

Se por um lado sente falta da liberdade, Bretas reconhece que vê com satisfação o reconhecimento das pessoas ao seu trabalho. “Não sou uma pessoa vaidosa, sou um servidor público e se as pessoas estão satisfeitas com o meu trabalho, eu tô realizado, tô feliz. É como ser empregado e o seu patrão está elogiando. Isso é o sonho de qualquer um que é trabalhador”, comentou. “Eu sou temente a Deus e tô fazendo meu trabalho certinho. Ninguém vai parar a Justiça”, completou o juiz.

+ Bretas se diz sob ameaça e admite deixar o Rio

Mudança 

Autor das 134 ordens de prisões da Operação Lava Jato de Curitiba – entre elas as do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do empresário Marcelo Odebrecht –, Sérgio Moro manteve, até meados do segundo ano de operação – iniciada em 2014 –, o hábito de ir de bicicleta ao trabalho, almoçar no bandejão do prédio da Justiça Federal, esperar a carona da mulher na frente do Fórum ao final do expediente e passear no parque com a família.

De início, ele resistiu à escolta armada. Mas aos poucos teve que readaptar sua rotina, revivendo uma situação pela qual tinha passado há dez anos, quando condenou o traficante carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, e passou seis meses vivendo sob proteção de agentes federais e policiais civis.

+ Para Moro, não existe risco à democracia no Brasil porque instituições estão fortes

Em 2016, a Polícia Federal chegou a investigar ameaças feitas na internet, que pregavam atos de violência contra o Moro. O magistrado abandonou o carro e a bicicleta como meios de transporte e para ir ao trabalho e demais compromissos – que também sofreram alterações. Voltou a andar em carro blindado e acompanhado de escolta armada sempre que sai de sua residência – em um bairro residencial de classe média de Curitiba.

Nos últimos dois anos, procura evitar restaurantes cheios, idas ao shopping, encontros com amigos – a maior parte do meio jurídico, como outros juízes e advogados – e vive uma rotina que o leva de casa ao trabalho, com alguns intervalos para viagens – como a mais recente que fez aos EUA, para palestras e eventos. Sua escolta é formada por agentes de segurança judiciária da Justiça Federal do Paraná e da Polícia Federal – ambos cumprem o papel de “sombra armada” de Moro, que alega “questões de segurança” para não comentar sobre o assunto.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.