Juíza revoga prisão de líderes do MST em Pernambuco

Uma semana depois do decreto da prisão de cinco lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) em Pernambuco, a juíza Dulceana Maciel Oliveira, titular da comarca do município de Gameleira - localizado na Mata Norte do estado - revogou a ordem, que havia sido expedida pelo juiz substituto da cidade, Antônio Carlos dos Santos a pedido do promotor substituto de Gameleira, Hipólito Guedes. Com a medida, o agricultor José Bernardo de Sena - único dos cinco líderes que chegou a ser preso - foi liberado.Apesar da revogação, bastante comemorada pelo MST, os sem-terra não estão livres de responder pelas acusações de invasão de propriedade, incitação à desordem e formação de quadrilha. O processo continua correndo na Justiça e os indiciados terão que comparecer quando chamados a depor.A prisão havia sido determinada em função de uma ocupação, realizada em novembro do ano passado, nas terras do Engenho Pereira Grande, de propriedade da Usina Estreliana. Na ocasião, os sem-terra atearam fogo em tratores, casas e destruíram parte da plantação de cana-de-açúcar. Além dos advogados do MST, o promotor titular da cidade, Waldir Mendonça também solicitou a revogação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.