Juíza pede afastamento do caso Eldorado dos Carajás

A juíza Eva do Amaral, que foi escolhida para presidir o julgamento de Eldorado dos Carajás, pediu hoje afastamento do caso. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) solicitou por duas vezes o afastamento da juíza, acusa de privilegiar os policiais militares. O último recurso foi impetrado ontem na Justiça paraense pelo advogado dos sem-terra.Pressionada, Eva do Amaral Coelho, comunicou hoje à presidência do Tribunal de Justiça do Pará, que está fora do julgamento de Eldorado dos Carajás. Marcado para começar na próxima terça-feira, agora o julgamento deve ter um novo juiz que ainda não foi escolhido. No processo, 149 policiais militares são acusados pelas mortes de 19 sem-terra em abril de 1996 no Sul do Pará.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.