Juíza não deve presidir julgamento no caso Galdino, diz promotor

O promotor Maurício Silva Miranda informou hoje que vai pedir à juíza Sandra de Santis que deixe de presidir o julgamento dos quatro acusados de terem assassinado o índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, em 1997, em Brasília. Segundo ele, a juíza seria suspeita para presidir o julgamento, já que ela se manifestou naquela época sobre o mérito da questão, afirmando que os acusados não tiveram a intenção de matar Galdino. "O juiz não deve entrar no mérito para não interferir na decisão dos jurados", disse o promotor. Ele afirmou, no entanto, que o Ministério Público não pensa em adiar o julgamento. Isso deverá ocorrer somente se a juíza deixar o caso e um juiz substituto entrar no lugar dela. O julgamento do caso Galdino está marcado para amanhã, às 8 horas, no Tribunal do Júri de Brasília.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.