Juíza manda tirar sem-terra de áreas invadidas no Pontal

A juíza Érica Dalaruvera de Moraes Almeida, da 1ª Vara Cível de Presidente Epitácio, mandou despejar os integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) que desde sábado ocupam a fazenda Nossa Senhora das Graças, em Presidente Venceslau, no Pontal do Paranapanema. A liminar foi dada hoje em ação movida pelo dono das terras, Luiz de Barros Coelho. É a primeira das 8 fazendas invadidas na última ofensiva do MST na região a obter a reintegração de posse. A juíza determinou a saída imediata dos invasores e sua permanência a uma distância mínima de 5 quilômetros da propriedade. Os líderes dos sem-terra devem ser notificados amanhã. Caso não cumpram a ordem em 24 horas, o despejo será feito pela Polícia Militar. A fazenda, considerada produtiva, é alvo de disputa pelos sem-terra há quase dez anos. Há dois anos, a casa sede sofreu vários atentados à bala atribuídos a integrantes do Movimento dos Agricultores Sem-Terra (Mast), o que levou o filho do dono, Coelho Júnior, a erguer uma barricada com sacos de areia em volta da casa. Hoje, os advogados entraram também com pedidos de reintegração de posse das fazendas Platzeck e Marumbi (antiga Inhancá), em Mirante do Paranapanema, e Santa Luzia, em Teodoro Sampaio. De acordo com o advogado Joaquim Botti, da União Democrática Ruralista (UDR), a fazenda de Carlos Artur Platzeck já estava protegida por um interdito proibitório, ou seja, uma ordem de não invasão, contra integrantes do MST. O advogado requereu ao juiz que o interdito seja convertido em despejo imediato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.