Juíza dá prazo a BC para responder a Jader

A juíza Maísa Giudice, da Justiça Federal de Brasília, intimou o Banco Central a responder, em dez dias, 15perguntas formuladas pelo presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), sobre o seu suposto envolvimento nodesvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará), nos anos 80.Em interpelação apresentada nesta segunda, a defesa de Jaderpede que o Banco Central explique como o dinheiro, avaliado em R$ 2,5 milhões, entrou nas contas da família Barbalho.Os advogados de Jader solicitam que o Banco Central repasse o resultado das apurações feitas pelo auditor Abraão PatruniJúnior, em 1991.O trabalho de Patruni apontou ligações do senador com o esquema de corrupção no Banpará. ?Em que medidatais conclusões apontam para o beneficiamento direto de Jader?, indaga a defesa.Em caso de resposta afirmativa, os advogados pedem que seja esclarecido o fato de o resultado de investigações não constarda correspondência enviada pelo presidente do Banco Central, Armínio Fraga, ao Ministério Público, em abril deste ano.Por meio de pergunta, a defesa do senador afirma que os trabalhos de Abrão Patruni Júnior não constaram também do parecerdo procurador-geral do Banco Central, José Coelho Ferreira, em 1992.E levantam a possibilidade, também através de indagação, deque os funcionários do banco responsáveis pelo inquérito do caso Banpará teriam tido acesso a informações acobertadas pelosigilo bancário.Os advogados perguntam ainda como o conteúdo das investigações do Banco Central chegou ao conhecimento da imprensa.Ese o banco ?procurou de alguma forma, averiguar o responsável por esta evidente violação de sigilo bancário alheio que está sob asua guarda.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.